O papel das celebridades na comunicação de marketing das marcas de luxo: a associação de Sharon Stone e Andie MacDowell à marca Douro Azul.

Ana Santiago

Abstract


A associação de celebridades a marcas de luxo não é um fenómeno recente. No século XIX, por exemplo, La Maison Worth tornou-se a casa de alta-costura mais influente do mundo na sua época por se associar à princesa Von Metternich, uma senhora da alta sociedade com influência na moda da corte de Napoleão (OkonKwo, 2007). Na contemporaneidade, as marcas de luxo – desde a moda e relojoaria ao mercado automóvel e imobiliário – associam-se às celebridades (atores, atletas, modelos e até membros da realeza) com o intuito de elevarem a sua notoriedade e credibilidade e os resultados têm-se revelado positivos. Uma pesquisa desenvolvida por Agrawal & Kamakura (1995) concluiu que o uso de celebridades na publicidade está relacionado com o aumento dos lucros esperados. Acresce que as celebridades pretendem consolidar o seu prestígio ao associarem-se a este tipo de marcas. Neste contexto, e numa altura em que o mercado de luxo está em franca expansão, em contraciclo com a crise económica actual, o presente artigo discute e relaciona os conceitos de celebridade, comunicação de marketing e marca de luxo, para em seguida analisar a associação de Sharon Stone e Andie MacDowell à marca Douro Azul.


Keywords


celebridades; comunicação de marketing; marcas de luxo

Full Text:

PDF

References


Aaker, D. (1991). Managing Brand Equity: capitalizing on the value of a brand name. New York: The Free Press.

Boorstin, D. (1992). The Image: a Guide to Pseudo-Events in America. New York: Vintage Books.

Briefing (2013/01/18) Recuperado em 24 de abril de 2013, de http://www.briefing.pt/marketing/19515-marcas-de-luxo-exigem-marketing-de-luxo.html

Caetano, J. & Rasquilha, L. (2007). Gestão da Comunicação. Lisboa: Quimera Editores.

Ceneco (1996). Dicionário de Marketing. Lisboa: Instituto Piaget.

Coralis, P. (2011). Um rosto tão conhecido quanto o nosso próprio: a construção da imagem pública e da idolatria a Madonna. Em Santos, R. (coord.), Comunicação e Cultura, 12 (pp. 99-115). Lisboa: Books on Demand.

Hollander, P. (2011). A cultura da celebridade Americana, a modernidade e a decadência. Em Torres, E. C. & Zúquete, J. P. (coord.). A vida como um filme: fama e celebridade no séc. XXI. Alfragide: Texto Editores, pp. 61-80.

Lencastre, P. (2007). A marca: o sinal, a missão e a imagem. in Lencastre, P. (coord.), O Livro da Marca. Lisboa: Publicações Dom Quixote, pp. 25-71.

Lendrevie, J. et all (1995). Mercator: teoria e prática do marketing. Lisboa: Publicações Dom Quixote, pp. 318-334.

Okonkwo, U. (2007). Luxury Brands & Celebrities: An Enduring Branding Romance. Recuperado em 24 de abril de 2013, de http://www.brandchannel.com/papers_review.asp?sp_id=1234

Pedro, M. (2007). O valor e as fontes de valor da marca. in Lencastre, P. (coord.), O Livro da Marca. Lisboa: Publicações Dom Quixote, pp. 25-71.

Quivy, R. & Campenhoudt, L. (1998). Manual de Investigação em Ciências Sociais. 2ªed. Lisboa: Gradiva.

Thomas, D. (2008). Deluxe: Como o luxo perdeu o brilho. Lisboa: Editora Pergaminho.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


International Journal of Marketing, Communication and New Media

ISSN: 2182-9306

 

International Networks of Indexing: GOOGLE SCHOLAR - LATINDEX - REDIB - RCAAP - OAJI.