Luxo Sustentável em Contextos de Hotelaria e Turismo: Do diferencial competitivo à preocupação com a responsabilidade social.

Annaelise Fritz Machado, Bruno Barbosa Sousa

Abstract


O consumo de uma experiência está diretamente relacionado ao consumo hedonista, na medida em que as motivações e as expectativas dos consumidores transcendem o campo dos benefícios racionais e funcionais de produtos e serviços, atingindo assim níveis mais intangíveis, como as sensações, sentimentos e prazer projetados e esperados com o consumo. Por seu turno, os produtos de luxo possuem um valor que ultrapassa a especificidade de sua utilidade, um valor que não está no objeto e sim na percepção que o sujeito tem deste. Em específico, o turismo de luxo tem-se assumido cada vez mais como um nicho de mercado de especial interesse um pouco por todo o mundo, mas com especial relevância no mercado brasileiro. O Brasil ocupa a 4a posição na lista dos maiores mercados de turismo de luxo do mundo, e o segmento foi o que mais cresceu nos últimos anos. Assim, o presente estudo tem por objetivo apresentar o que os hotéis brasileiros (no segmento de luxo), têm feito relativamente à sustentabilidade, e se, as ações desenvolvidas, são em prol de obterem um diferencial competitivo frente aos hotéis concorrentes, ou se, contrariamente, estão preocupados especificamente com a responsabilidade social. Foi realizada uma pesquisa de natureza descritiva, apresentando “Cases de Sucesso” de três hotéis brasileiros: Verdegreen, Anavilhanas Jungle Lodge, SPaventura Ecolodge, classificados como Hotéis de Luxo Sustentáveis, quanto às práticas de sustentabilidade inseridas no ambiente, bem como ações de valorização cultural das regiões. Todas as ações relacionadas às estratégias competitivas de um empreendimento, a partir da teoria contida neste estudo, são consideradas vantagens competitivas, pois isto é uma das questões que diferencia os hotéis de luxo, dos demais empreendimentos hoteleiros do mercado. Serão discutidas e apresentadas linhas de desenvolvimento para futura investigação.


Keywords


Consumidor, luxo sustentável, responsabilidade social, turismo de luxo.

References


Agostinho, P. F. L. (2013). Marketing de experiências: comunicar emoções e sensações através de experiências de consumo: caso biosotis (Master's thesis, FEUC).

Alfers, I. (2016). 9 Hotéis Sustentáveis no Brasil para mudar a forma como você viaja. Disponível em: http://magazine.trivago.com.br/hoteis-sustentaveis-brasil/.

Atwal, G., & Williams, A. (2009). Luxury brand marketing–the experience is everything!. Journal of Brand Management, 16(5-6), 338-346.

Boff, L. (2012). Sustentabilidade: O que é – O que não é. Rio de Janeiro: Vozes.

Buosi, M.; Oliveira, S. H. & Leocádio, Á. L. (2014). A relação entre desenvolvimento sustentável e imagem de lugar de um destino turístico: proposição de um modelo estrutural. Revista Brasileira de Pesquisa em turismo, 8(2), 261-285.

Butler, J. (2008). The compelling “hard case” for “green” hotel development. Cornell hospitality quarterly, 49(3), 234-244.

Campos, M. (2018) ILTM Latin America mostra mercado otimista com o turismo de luxo. Disponível em: http://www.maricampos.com/iltm-latin-america-mostra-mercado-otimista-com-o-turismo-de-luxo/.

Chen, A., & Peng, N. (2014). Examining Chinese consumers’ luxury hotel staying behavior. International Journal of Hospitality Management, 39, 53-56.

Dall’Olmo Riley, F., & Lacroix, C. (2003). Luxury branding on the Internet: lost opportunity or impossibility?. Marketing Intelligence & Planning, 21(2), 96-104.

De Toni, D., Larentis, F., & Mattia, A. (2012). Um estudo sobre a configuração da imagem do conceito de consumo consciente. Revista de Gestão Social e Ambiental, 6(3), 113-128.

Dinis, M. G., Costa, C. M. M., & Pacheco, O. M. R. (2017). Aplicação da análise da Web no Turismo: o caso do Turismo do Alentejo. International Journal of Marketing, Communication and New Media, (2).

Dubois, B., & Duquesne, P. (1993). The market for luxury goods: Income versus culture. European Journal of Marketing, 27(1), 35-44.

Embratur (2016). Portal espanhol destaca destinos de luxo brasileiros. Disponível em: http://www.embratur.gov.br/piembratur-new/opencms/salaImprensa/noticias/arquivos/Portal_espanhol_destaca_destinos_de_luxo_brasileiros.html.

Font, X. (2002). Environmental certification in tourism and hospitality: progress, process and prospects. Tourism management, 23(3), 197-205.

Font, X. (2008). Sostenibilidad y alivio de la pobreza en países en vías de desarrollo: el papel del hotelero y del investigador. Estudios y perspectivas en Turismo, 17(1), 7-28.

Freitas, A. L., & Mangueira de Almeida, G. M. (2010). Avaliação do nível de consciência ambiental em meios de hospedagem: uma abordagem exploratória. Sociedade & Natureza, 22(2).

Galhanone, Renata Fernnades. O mercado do Luxo: aspectos do marketing. SEMEAD–Seminário de Admnistração, VIII, São Paulo, Anais... São Paulo: USP, 2005. Disponível em: http://sistema.semead.com.br/8semead/resultado/trabalhosPDF/329.pdf. Acesso: 25/10/2018.

Gazoni, J. L. (2005). Sustentabilidade em meios de hospedagem. DIAS, Reinaldo.

Huang, P., Lurie, N. H., & Mitra, S. (2009). Searching for experience on the web: an empirical examination of consumer behavior for search and experience goods. Journal of marketing, 73(2), 55-69.

Janér, A. (2010). Programa de Certificação em Turismo Sustentável. São Paulo: Instituto de Hospitalidade.

Jornal MG Turismo (2017). Em meio a Mata Atlântica, SPaventura alia conforto e sustentabilidade.

Junior, A. M. O modelo de vida alienante da “sociedade do consumo”. Ateliê Geográfico, 6(2), 131-147.

Kapferer, J-N. (2012) Abundant rarity, the key to luxury growth. Business Horizons, 55, 453- 462.

Kapferer, J.-N. & Bastien, V. (2008). Luxe oblige, Eyrolles Editions d’Organisation.

Kasim, A. (2004). Socio-environmentally responsible hotel business: Do tourists to Penang Island, Malaysia care?. Journal of Hospitality & Leisure Marketing, 11(4), 5-28.

Kosmann, G. (2009). Estratégias de marketing: um estudo sobre o mercado do luxo.

Lipovetsky, G., & Roux, E. (2008). O luxo eterno: da idade do sagrado ao tempo das marcas. Editora Companhia das Letras.

Lipovetsky, G. (2007). A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras.

Lunkes, R. J., & Rosa, F. S. (2012). Gestão hoteleira: custos, sistemas de informação, planejamento estratégico, orçamento e gestão ambiental. Curitiba: Juruá, 1, 276.

Madeira, I. D. (2009). Marcas de luxo e comportamento de compra do consumidor (Doctoral dissertation).

Manaktola, K., & Jauhari, V. (2007). Exploring consumer attitude and behaviour towards green practices in the lodging industry in India. International Journal of Contemporary Hospitality Management, 19(5), 364-377.

Mangorrinha, J. (2014). O Luxo e o Turismo: uma atualização?. Cogitur, Journal of Tourism Studies, (5).

Medeiros, M. D. L., Machado, D. F. C., Passador, J. L., & Passador, C. S. (2012). Adoção da certificação LEED em meios de hospedagem: esverdeando a hotelaria?. Revista de Administração de Empresas, 52(2), 179-192.

Medeiros, J. (2012). Luxo para quem?: o mercado de luxo no Brasil. RAE-Revista de Administração de Empresas, 52(4), 474-475.

Metaxas, I. N., Chatzoglou, P. D., & Koulouriotis, D. E. (2017). Proposing a new modus operandi for sustainable business excellence: the case of Greek hospitality industry. Total Quality Management & Business Excellence, 1-26.

MOL, H. (2014). O novo turismo de luxo: menos ostentação e mais exclusividade. Disponível em: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/artigo-o-novo-turismo-de-luxo-menos-ostentacao-e-mais-exclusividade/92038/.

Okonkwo, U. (2009). Sustaining Luxury Brands on the Internet. Journal of Brand Management, 16, (5/6), 302-310

Oliveira, P., & Remondes, J. (2018). O comportamento do consumidor corporate e suas implicações na gestão de marketing digital e redes sociais online das agências de viagens. Revista Turismo & Desenvolvimento, 1(27/28), 1367-1378.

Oliveira, J. P., Tricárico, L. T., Varella, B. G., & Velasquez, G. G. (2016). Arquitetura hoteleira sob a ótica da sustentabilidade e da hospitalidade do espaço: um estudo sobre a aplicação dos conceitos de sustentabilidade e hospitalidade do espaço em projetos de hotéis. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 10(1), 189-209.

Pereira, C., Siciliano, T., Rocha, E., Beleza, J., Beraldo, B., Bravo & Gonçalves, A. P. (2015). Consumo de experiência” e “experiência de consumo”: Uma discussão conceitual. LOGOS, 22(02).

Porter, M. (1991). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústria e da concorrência. Trad. Elizabeth Maria de Pinho Braga. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. (1990). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. (1989) A Vantagem competitiva das Nações. Trad. Walltensir Dutra.16. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Remondes, J. (2016). Estudos sobre o comportamento do consumidor: as compras através de dispositivos móveis. International Journal of Marketing, Communication and New Media, 4(7).

Remondes, J., Serrano, V., & Mena, R. (2015). Marketing on-line, comércio eletrônico e hotelaria: estudo sobre a marcação de hotéis na internet em mercados business-to-business. RITUR-Revista Iberoamericana de Turismo, 5(1), 114-130.

Rodrigues, A. S., & Mallou, J. V. (2014). A influência da motivação na intenção de escolha de um destino turístico em tempo de crise económica. International Journal of Marketing, Communication and New Media, 2(2).

Rosa, F. S., & Silva, L. C. (2017). Sustentabilidade ambiental nos hotéis, contribuição teórica e metodológica. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 11(1), 39-60.

Robinson, M., & Novelli, M. (2005). Niche tourism: an introduction. Niche tourism: Contemporary issues, trends and cases, 1-11.

Ruschmann, D. (1997). Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. Campinas: Papirus.

Sartori, S., Latronico, F., & Campos, L. (2014). Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Ambiente & sociedade, 17(1).

Schmitt, B. (2011). Experience marketing: concepts, frameworks and consumer insights. Foundations and Trends® in Marketing, 5(2), 55-112.

Seringhaus, F.H.R. (2005). Selling Luxury Brands Online. Journal of Internet Commerce, 4 (1), 1-25.

Serra, G. (2002). Sustentabilidade, arquitetura e estrutura. Revista Au.n.101. Abril/Mai.

Sousa, B. M., & Silva, J. (2015). The brand management: a perspective applied in the context of sports media. International Journal of Marketing, Communication and New Media, 3(4).

Sousa, B., & Simões, C. (2012). Uma abordagem na ótica do consumidor: Regiões turísticas transfronteiriças. Journal of Tourism and Development [Revista Turismo & Desenvolvimento], 4(17/18).

Sousa, B., & Simões, C. (2010). Comportamento e perfil do consumidor de turismo de nichos. Tékhne-Revista de Estudos Politécnicos, (14), 137-146.

Tapajós, L. (2015). Hotel de luxo usa energia solar e madeira de reflorestamento na selva. Disponível em: http://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2015/05/hotel-de-luxo-usa-energia-solar-e-madeira-de-reflorestamento-na-selva.html.

Tidey, A. (2013). O consumo de luxo e a moda: entendendo significados para criar produtos sustentáveis. Universidade Técnica de Lisboa, Portugal. 9º Colóquio de Moda – Fortaleza (CE).

Thompson, C. J., Locander, W. B., & Pollio, H. R. (1989). Putting consumer experience back into consumer research: The philosophy and method of existential-phenomenology. Journal of consumer research, 16(2), 133-146.

Tsai, C. T. S., & Wang, Y. C. (2017). Experiential value in branding food tourism. Journal of Destination Marketing & Management, 6(1), 56-65.

Tzschentke, N., Kirk, D., & Lynch, P. A. (2004). Reasons for going green in serviced accommodation establishments. International journal of contemporary hospitality management, 16(2), 116-124.

Valente, S. (2008). Luxo Sustentável: a nova estratégia do mercado Premium?. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/regionais/nordeste2008/resumos/R12-0714-1.pdf ¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬.

Vieira, E.V. & Hoffmann, V. E. (2006). Práticas de sustentabilidade ambiental para empreendimentos turísticos hoteleiros: aplicação de um modelo. In: IV SeminTUR – Seminário de Pesquisa em Turismo do MERCOSUL. Universidade de Caxias do Sul – Mestrado em Turismo. Caxias do Sul, RS, Brasil – 7 e 8 de Julho de 2006.

Wiedmann, K. P., & Hennigs, N. (2013). Placing Luxury Marketing on the Research Agenda Not Only for the Sake of Luxury–An Introduction. In Luxury Marketing (pp. 3-17). Gabler Verlag

Wong, N. Y., & Ahuvia, A. C. (1998). Personal taste and family face: Luxury consumption in Confucian and Western societies. Psychology & Marketing, 15(5), 423-441.

Yang, W., & Mattila, A. S. (2017). The impact of status seeking on consumers’ word of mouth and product preference - A comparison between luxury hospitality services and luxury goods. Journal of Hospitality & Tourism Research, 41(1), 3-22.

Zambonim, F. M (2002). Gestão e certificação ambiental para hotéis. 2002. Master Thesis, UFSC, Florianópolis.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


International Journal of Marketing, Communication and New Media

ISSN: 2182-9306

 

International Networks of Indexing:

Emerging Sources Citation Index (Clarivate Analytics) - QUALIS CAPESGOOGLE SCHOLAR - LATINDEX - REDIB - RCAAP - OAJI - DRJI.