A motivação para o trabalho dos voluntários: O caso da Associação VENCER

Fábio Bechara, Susana Bernardino

Abstract


As motivações são um fator preponderante para a prática do voluntariado. Esta comunicação tem como objetivo compreender as motivações dos voluntários da associação Vencer- uma organização social que atua num hospital filantrópico especializado em tratamento oncológico da cidade de Uberaba. Em particular pretende-se analisar o perfil do voluntariado hospitalar e verificar se os constructos motivacionais são condicionados por fatores como sexo, idade, estado civil, escolaridade, rendimento familiar mensal e religião. A investigação adota uma metodologia de natureza quantitativa, através de um inquérito por questionário.

Os resultados obtidos indicam que a maioria dos voluntários é do género feminino, casado, com uma idade média próxima dos 50 anos, com ensino médio, de classe média, da religião espírita ou católica. A investigação indica que a principal motivação para o voluntariado hospitalar da instituição é o altruísmo. O amor ao próximo e a compaixão foram fatores preponderantes para exercer a atividade voluntária. Verificou-se também que, ao contrário de outros estudos, a pertença e a aprendizagem e desenvolvimento não são fatores importantes para a motivação dos voluntários. A investigação realizada indica ainda que as motivações para a prática do voluntariado não são condicionadas pelo perfil sociodemográfico dos indivíduos.


Keywords


voluntariado; motivação; fatores motivacionais; hospital; altruísmo; organizações sociais;

Full Text:

PDF

References


Amorim, L. R. (2015). A motivação para o trabalho dos voluntários da Cruz Vermelha Portuguesa. Dissertação de Mestrado em Gestão das Organizações, Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Portugal.

ANS (2017). Sistema de Informações de Beneficiários/ANS/MS [Em linha], Acesso em Outubro, 2019, em http://www.ans.gov.br/perfil-do-setor/dados-gerais

Archer, E. R. (1997). O mito da motivação. In C. Bergamini & R. Coda (Eds.). Psicodinâmica da vida organizacional: Motivação e liderança, 2ª ed. São Paulo, Atlas.

Associação VENCER (2013). Instituição: Associação VENCER [Em linha] Acedido em Março, 2019, em http://vencercanceruberaba.blogspot.com.br/

Barbedo A. P.& Bandeira A. M. (2015). Voluntariado: Sua Relevância e Necessidade da Relevação Contabilística. V Congresso da OTOC, Lisboa.

Bergamini, C. (1994). Liderança: Administração do Sentido. São Paulo: Atlas.

Cavalcante, C. E. (2016). Motivação de Voluntários: Teoria e Prática. Curitiba, Appris.

Crippa, A., Isidoro, T & Feijó A. G. S. (2014). Voluntariado e Saúde, Revista da AMRIGS, 58 (3), 247-251.

Diogo, J. S. (2016). A importância do voluntário na instituição hospitalar: Uma transformação social que auxilia na qualidade de vida e bem estar do paciente. Revista Psicologia.Pt. Disponível em: www.psicologia.pt/artigos/textos/A1043

Duarte, I. G., Cavalcante, C. E., & Marques, R. R. R. (2017). Gestão de Pessoas no Terceiro Setor: Motivações dos Voluntários da Fundação Cidade Viva. Revista Organizações em Contexto, 13(25), 99-120.

Ferreira, M., Proença, T., & Proença, J. F. (2008). As motivações no trabalho voluntário. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, jul./set., p. 43-53.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo, Atlas.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., & Anderson, R. E. (2009). Análise Multivariada de dados (5a ed.). Bookman.

IBGE (2013). Conta-satélite de saúde 2010 – 2013. Instituto Brasileiro de geografia e Estatística. [Em linha]. Acedido em outubro, 2019, em https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2013-agencia-de-noticias/releases/9619-conta-satelite-de-saude-2010-2013-em-2013-8-0-do-pib-foram-gastos-com-consumo-de-bens-e-servicos-de-saude.html

IBOPE. (2011). Projeto Voluntariado Brasil 2011. Pesquisa Voluntariado.

Imperatori, T. K. (2012). Sociedade civil, voluntariado e direito à saúde: Uma análise sobre a Associação de Voluntários do Hospital Universitário de Brasília. Dissertação de Mestrado em Política Social, Universidade de Brasília, Brasil.

Marques, M. (2016). As motivações para o voluntariado. Estudo exploratório numa amostra de estudantes do ensino superior politécnico. Dissertação de Mestrado em Comunicação Organizacional Cidadania, Confiança e Responsabilidade Social, Instituto Politécnico de Coimbra, Portugal.

Marques, M. (2016). As motivações para o voluntariado. Estudo exploratório numa amostra de estudantes do ensino superior politécnico. Dissertação de Mestrado em Comunicação Organizacional Cidadania, Confiança e Responsabilidade Social, Instituto Politécnico de Coimbra, Portugal.

Mascarenhas, A. O., & Zambaldi, F. (2002). Motivação em programas de voluntariado empresarial: um estudo de caso. In: Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, Salvador, Anpad.

Maslow, A.H. (1987). Motivation and Personality. (3rd ed.). New York, Harper & Row.

Maximiano, A. C. A. (2011). Administração para empreendedores. São Paulo, Pearson Prentice Hall.

Moniz, A. L., & Araújo, T. C. (2008). Voluntariado hospitalar: um estudo sobre a percepção dos profissionais de saúde. Estudos de Psicologia, 13(2), 149-156.

Moura, L. R. & Souza, W. J. (2007). Elementos do trabalho voluntário na pastoral da criança: características e motivos. Revista Holos, 23(3), 150 – 160.

Nogueira-Martins, M. C., Bersusa, A. A., & Siqueira, S. R. (2010). Humanização e Voluntariado: estudo qualitativo em hospitais públicos. Revista Saúde Pública, 44(5), 942-949.

ONU (2017). Organização das Nações Unidas. [em linha]Acedido em outubro, 2019, em https://nacoesunidas.org/vagas/voluntariado/

Quinta, M. F. F. (2016). Antecedentes da intenção de praticar voluntariado jovem: um estudo empírico em Portugal. Dissertação de Mestrado. Instituto Politécnico do Porto, Portugal.

Ramos, S. P. (2015). Voluntariado em Organizações Hospitalares: diferentes visões de gestão. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade Regional de Blumenau, Brasil.

Resende, M. S. R. (2009). Voluntariado nas organizações de terceiro setor. FGR em revista, Belo Horizonte, 3(4), 9-10.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, M. d. (2013). Metodologia de pesquisa. (D. V. Moraes, Trad.) Porto Alegre, Penso.

Selli, L., Garrafa, V., & Junges, J. R. (2005). Bioética, solidariedade crítica e voluntariado orgânico. Revista de Saúde Pública, 49(3), 473-8.

Silva, J. O. & Feitosa, S. (2002) Ação Social Voluntária: Motivação e Evasão. Cadernos CEDOPE, 13(19), 1-60.

Siqueira S.R. (2016). Motivação para o trabalho dos voluntários que atuam em hospital público estadual de São Paulo, referência em HIV. Tese de Doutorado em Enfermagem. São Paulo, Universidade de São Paulo, Brasil.

Sobolh, T., & Widman, S. (2011). Voluntariado, a possibilidade da esperança: cenário do trabalho voluntário no Brasil. São Paulo, Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Eisntein.

Souza, C. B., Bacalhau, M. d., Moura, M. d., Volpi, J. H., Marques, S., & Rodrigues, M. R. (2003). Aspectos da motivação para o trabalho voluntário com doentes oncológicos: um estudo colaborativo entre Brasil e Portugal. Psicologia: Saúde e Doenças, 4(2), 267-276.

Souza, W. J. & Carvalho, V. D. (2006). Elementos do comportamento organizacional no trabalho voluntário: motivação na Pastoral da Criança à luz da teoria da expectância. In Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, Salvador, Anpad.

Tavares, S. I. (2014). Voluntariado hospitalar: a problemática da definição de tarefas. Dissertação de Mestrado em Gestão de Serviços, Faculdade de Economia da Universidade do Porto, portugal.

Todorov, J. C., & Moreira, M. B. (2005). O conceito de motivação na psicologia. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 7, 119-132.

Vernon, M. D. (1973). Motivação humana. Tradução de L. C. Lucchetti. Petrópolis: Vozes. (trabalho original publicado em 1969).


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Portuguese Journal of Finance, Management and Accounting

e-ISSN: 2183-3826

 

International Networks of Indexing: GOOGLE SCHOLAR, RCAAP, REBID, DRJI