Avaliação do Impacto dos Fundos do QREN no Desempenho Económico e Financeiro das PME: O Caso da Indústria Transformadora do Concelho de Barcelos

Carolina Correia, Vânia Costa

Abstract


Ao longo dos tempos as empresas adquiriram uma importância crescente no âmbito da Política Regional Europeia, uma vez que a competitividade das regiões depende diretamente dos níveis de competitividade do seu tecido empresarial. O instrumento financeiro Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) surgiu com o objetivo de corrigir alguns dos desequilíbrios regionais, nomeadamente através da atribuição de fundos ao tecido empresarial, destinados a investimentos produtivos e geradores de emprego, fomentando a coesão entre vários Estados Membros. A presente investigação tem como objeto de estudo uma análise ao tecido empresarial a posteriori da atribuição dos fundos comunitários. Tem como foco principal o estudo do impacto do Quadro de Referencia Estratégico Nacional (QREN), no desempenho económico e financeiro das micro, pequenas e médias empresas (PME) do setor da indústria transformadora no período 2007-2013, através da aplicação de uma metodologia de análise contra factual. O estudo de caso consiste na análise de indicadores económicos e financeiros de uma amostra de 56 PME sediadas no concelho de Barcelos, que beneficiaram de apoios do QREN no âmbito do Programa Operacional Fatores de Competitividade, concretamente os incentivos à Inovação, à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico e à Qualificação/Internacionalização, de forma a avaliar o efeito destes apoios no desempenho financeiro das empresas. Da análise aos resultados podemos concluir que, globalmente os indicadores económicos como volume de negócios, exportações, valor acrescentado bruto e produtividade apresentaram crescimentos substanciais e resultados estatisticamente significativos. 


Full Text:

PDF

References


Artz, K., Norman, P., Hatfield, D. & Cardinal, L. (2010). A Longitudinal Study of the Impact of R&D, Patents and Product Innovation on Firm Performance. The Journal of Product Innovation Management, 27, 725-740.

Banco de Portugal. (2016). Central de Balanços. Quadros do Setor. Acedido Fevereiro 20, 2016, em https://www.bportugal.pt/pt-PT/ServicosaoPublico/CentraldeBalancos/Paginas/QuadrosdaEmpresaedoSetor.aspx.

Besanko, D., Dranove, D., Shanley, M. & Schaefer, M. (2004). Economics of Strategy. New York, Wiley.

Bloodgood, J.M., & Katz, J.P. (2004). Manufacturing Capacity, Market Share and Competitiveness. Competitiveness Review, 14 (1-2), 60-71.

Boddy, M., Hudson, J., Plumridge, A, & Webber, D. (2005). Regional Productivity Differentials: Explaining the Gap. Discussion Paper 0515. School of Economics. University of the West of England, England.

Borchardt, K. (2011). O ABC do Direito da União Europeia. Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia. Acedido maio 25, 2015, em http://europedirect.aigmadeira.com/cms/wp-content/uploads/2013/04/O-ABC-do-direito-da-UE.pdf.

Brito, R. P. de, & Brito, L. A. L. (2012). Vantagem Competitiva, Criação de Valor e seus Efeitos sobre o Desempenho. Revista de Administração de Empresas, 52 (1), 70–84.

COMPETE (2012). Programa Operacional Temático Fatores de Competitividade 2007-2013. Lisboa: COMPETE.

COMPETE (2015). SI Qualificação de PME - Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME. Acedido maio 28, 2015, em http://www.pofc.qren.pt/areas-do-compete/incentivos-as-empresas.

Correia, S. (2013). Determinantes do Desempenho Económico das Empresas Familiares Portuguesas : será a inovação relevante? Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia da Universidade do Porto.

Delgado, A., Tavares-Lehmann, A., & Teixeira, A. (2007). Avaliação Ex Ante do Programa Operacional Regional do Norte 2007-2013. Faculdade de Economia da Universidade do Porto, Portugal.

Eickelpsch, A. & Vogel, A. (2011). Determinants of the Export Behavior of German Business Services Companies. The Service Industries Journal, 31 (3-4), 513-526.

European Union. (2007). European Cohesion Policy in Portugal. Brussels: European Union.

Ferreira, J. (2006). Como Medir a Competitividade Das Organizações. Revista Produção Online. Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil, 6 (2), 1–24.

Iacus, S. M., King, G., & Porro, G. (2012). Causal inference without balance checking: Coarsened exact matching. Political Analysis, 20 (1), 1–24.

Instituto Nacional de Estatística, I.P. (2013). Evolução do Setor Empresarial em Portugal 2004-2010., Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, I.P.

Instituto Nacional de Estatística, I.P. (2014). Anuário Estatístico da Região Norte 2013. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, I.P.

Kemp, R.,Folkeringa, M., De Jong, J., & Wubben, E. (2003). Innovation and firm performance. Zoetermeer, Research Report. Netherlands: EIM.

Lima, P. (2014). A Eficácia do Sistema de Incentivos do QREN para a Internacionalização de PME ’ s. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia, da Universidade do Porto, Portugal.

Madeira, R. (2012). Política Global e Desenvolvimento Local: Impacto Socioeconómico dos Fundos Comunitários no Concelho do Canaval. Tese de Doutoramento, Departamento de Sociologia - Instituto Universitário de Lisboa, Portugal.

Mamede, R., Fernandes, T., & Silva, A. (2013). Análise contrafactual dos impactos dos incentivos do POE/PRIME na sobrevivência e no crescimento das empresas. Lisboa: Observatório do QREN.

Marco, R. (2012). Gender and Economic Performance: evidence from the Spanish Hotel Industry, Internacional Journal of Hospitality Management, 31, 981-989.

Mariasole, B., Varum, C., & Pisictello, L. (2013). The Impact of Public Support to SME’ outward FDI: Evidence from Italy. Journal of Small Business Management, 53, 5-7.

Martins, A. (2004). Introdução à Análise Financeira de Empresas. 2ªEdição. Porto: Grupo Editorial Vida Económica.

Mateus, A. (coordenador). (2013). 25 anos de Portugal Europeu: a Economia, a Sociedade e os Fundos Estruturais. Fundação Francisco Manuel dos Santos, 1 (3), 437-472.

Mateus, A. (coordenador). (2005). Competitividade Territorial E Coesão Económica E Social. Fundação Francisco Manuel dos Santos. Observatório do QCA.

Moreira, J. (2001). Análise Financeira de Empresas - da Teoria à Prática. 4ªEdição. Porto: Associação da Bolsa de Derivados do Porto.

Neves, J.C. (2004). Análise Financeira I: Técnicas Fundamentais. 1ªed., volume I, Lisboa: Texto Ediora.

Neves, J. C. (2011). Avaliação e Gestão da Performance Estratégica da Empresa. 2ªEdição. Lisboa: Texto Editora.

Neves, J. C. (2012) Análise e Relato Financeiro –Uma visão integrada de gestão. 5ªEdição. Lisboa: Texto Editora.

Pires, Luís Madureira (1998), A Política Regional Europeia e Portugal, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Porter, M.E. (1985). Competitive Advantage. New York: Free Press.

Porter, M.E. (1990). The Competitive Advantage of Nations. MacMillan Press, Londres.

Portugal 2020 (2016). Acedido março 20, 2016, em https://www.portugal2020.pt/Portal2020/programas-operacionais-portugal-2020-2.

Rodil-Marzábal, O. (2005). Competitiveness and regional growth in the European Union: Disparities in unit costs, 45th Congress of the European Regional Science Association. 23-27 Agosto, Vrije Universitei: Holanda.

Schumpeter, J. A. (1939). Business Cycles: A Theoretical, Historical, and Statistical Analysis of the Capitalist Process. New York and London: McGraw-Hill.

Vasconcelos, F.C. &Brito, L.A.L. (2004). Vantagem Competitiva: o constructo e a métrica. Revista de Administração de Empresas, 44 (2), 70-82.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Portuguese Journal of Finance, Management and Accounting

e-ISSN: 2183-3826

 

International Networks of Indexing: GOOGLE SCHOLAR, RCAAP, REBID, DRJI